Crefisa já colocará R$ 140 milhões no Palmeiras em 2017

compartilhe agora

Nisto entram a quantia para as contratações de Guerra, Fabiano, Borja, compra dos direitos de Dudu, além do patrocínio. Barrios e meta por títulos podem fazer número aumentar

Na quarta-feira, Palmeiras e Crefisa anunciaram a renovação do contrato de patrocínio, que renderia ao clube R$ 72 milhões em 2017. Só que o Verdão já tem garantido que receberá R$ 138,2 milhões da empresa, graças aos gastos nas janelas de transferências. Com Barrios e bônus por conquistas, o número pode passar de R$ 150 milhões na temporada.

Além da quantia para a exposição da marca da empresa financeira e da FAM, Leila Pereira injetou R$ 63,8 milhões para que Dudu se tornasse 100% do Palmeiras e fossem contratados Guerra, Fabiano e agora Borja. Pelo atacante colombiano, ainda sem impostos, foram 10,5 milhões de dólares (R$ 32,8 milhões). O valor para viabilizar as negociações com os outros três, já contando encargos, é de R$ 31 milhões.

Com a chegada de Borja, ainda haverá um novo aumento no contrato de patrocínio. Além dos R$ 72 milhões, a dona da Crefisa e FAM acertou um aditivo que dará ao clube mais R$ 200 mil mensais, colaborando com o pagamento do salário do atacante, de 100 mil dólares (R$ 313 mil). O restante terá de ser desembolsado pelo Verdão, mas já são R$ 2,4 milhões a mais no ano. As luvas de 1 milhão de dólares (R$ 3,13 milhões) ainda serão divididas entre a patrocinadora e o clube.

A quantia para a atuação no mercado é feita à parte do patrocínio. No futuro, em caso de venda, o Palmeiras precisa devolver apenas o valor gasto pela Crefisa – o lucro é do clube. Caso a transferência seja por menos do que o atleta foi comprado, a empresa assume o prejuízo. Os direitos econômicos são sempre vinculados ao Verdão.

O caso é diferente do que é feito com Lucas Barrios. A Crefisa banca todos os gastos com o camisa 8, hoje de R$ 12 milhões. Caso o paraguaio permaneça, o valor recebido pelo Verdão também aumenta. Só que, na renovação, os parceiros colocaram o atacante em um contrato separado. Assim, caso ele seja negociado, o Palmeiras para de receber essa quantia específica.

Ainda a cada título, o Alviverde terá direito a bônus, mas os valores não foram revelados. Ao anunciar o novo contrato, Leila Pereira disse que seus esforços são para que o Palmeiras ganhe até o Mundial de Clubes. A participação na janela de transferências não deixa negar que patrocinadora e diretoria estão pensando alto para 2017.

fonte: Terra Esportes

compartilhe agora

Comments

comments